Garota de 16 anos morre de repente, horas depois, médico faz descoberta aterrorizante no estômago

610
Foto/Reprodução

Era um dia normal de aula para a adolescente Jasmine Beever, de 16 anos, que morava em Skegness, Inglaterra. Porém, de repente, ela começou a passar mal e foi para casa.

Chegando lá ela perdeu os sentidos e foi imediatamente levada para o hospital, ao chegar ela foi reanimada com sucesso pelos médicos, mas pouco tempo depois ela morreu. A partir dali os médicos tinham a missão de determinar o que levou a garota a morrer.

Tudo estava confuso, até que, decidiram examinar seu estômago, nele encontraram algo que explicaria tudo.

Na verdade, Jasmine sofria de peritonite, isso acontece quando uma fina camada de tecido no abdômen fica inflamada, na maioria das vezes, é o resultado de uma infecção.

Os médicos então, encontraram algo em seu estômago que explicaria o motivo de sua morte repentina e trágica. Sendo um choque para todos.

Foto/Reprodução

Em seu estômago, os médicos acabaram encontrando uma grande bola de cabelo. Ela estava infectada e, como o corpo não conseguia reagir, uma úlcera acabou de desenvolvendo, que veio há explodir, causando à falência de seus órgãos vitais.

A compulsão de arrancar pelos e cabelos ou a tricotilomania, é um transtorno psicológico, que em sua maioria é causada pelo estresse, levando as pessoas a arrancarem os fios de cabelos, explica o serviço de saúde inglês NHS. Algumas das pessoas que sofrem disso, também acabam engolindo os fios arrancados, o que gera um problema ainda maior.

A pessoa que sofre dessa compulsão que aparentemente pode parecer “inocente”, pode chegar ao ponto que chegou Jasmine, criando bolas de cabelo no estômago, isso pode provocar um grande bloqueio no sistema digestivo, o chamado “Síndrome de Rapunzel”, de acordo com The Independent.

Fonte: br.newsner.com

Por favor, compartilhe essa notícia, para que outras pessoas, saibam desse mal, silencioso que pode levar qualquer a morte, assim como aconteceu com Jasmine.

A indicação é procurar o médico. Mesmo àqueles quem tenham esse distúrbio não engulam os fios, um tratamento psicológico se faz necessário.

COMPARTILHAR